Operação Norte

A Operação Norte foi criada para atender a uma importante demanda de transporte e escoamento de grãos da região Centro-Oeste pelo Arco Norte do Brasil, estabelecendo uma nova rota, que aproveita o potencial hidroviário do país para movimentar cargas e gerar desenvolvimento e competitividade para a região e o agronegócio, além de contribuir de forma expressiva para a balança comercial brasileira.

Com investimentos de cerca de R$1,5 bilhão, a operação hidroviária no Pará deve movimentar 1 milhão de toneladas de grãos na região em 2016, 3 milhões em 2017 e alcançar o total da capacidade operacional de 6,5 milhões em 2020. Em uma segunda fase, a capacidade será ampliada para 8,5 milhões de toneladas de grãos ao ano.

O projeto envolveu a construção de uma Estação de Transbordo de Cargas (ETC), localizada em Miritituba, e do Terminal de Uso Privado (TUP), localizado em Barcarena, e conta com 5 empurradores principais e 7 sets de 20 barcaças, 1 empurrador auxiliar para o Estreito do Boiuçu, além de 4 empurradores para manobras portuárias.

Com uma localização estratégica, a Operação Norte é uma alternativa logística de grande relevância por atenuar o movimento dos portos de outras regiões brasileiras, além de contribuir diretamente para a redução do tráfego de caminhões, do custo logístico e do tempo necessário para escoar a produção para os principais mercados do agronegócio brasileiro.

Clique aqui e confira a tabela com os valores.

ESTAÇÃO DE TRANSBORDO DE CARGA (ETC) MIRITITUBA

Com o início das operações no primeiro semestre de 2016, a operação consiste na recepção de caminhões e carregamento de grãos em barcaças.

Estrutura :

- Capacidade de carga de aproximadamente 40.000 toneladas / dia;
- 4 tombadores que suportam até 315 toneladas / hora cada;
- 1 pier flutuante que possibilita até 1.800 toneladas / hora;
- 8 silos com capacidade máxima de 144 mil toneladas;
- Operação localizada em uma área de 10 hectares.

TERMINAL DE USO PRIVADO (TUP) VILA DO CONDE

Com o início das operações no segundo semestre de 2016, a operação consiste na recepção de caminhões e barcaças carregadas de grãos, que são embarcadas em navios graneleiros Post Panamax com capacidade até 120 mil toneladas, que partem para o mercado externo.

Estrutura :

- Capacidade de carga de aproximadamente 48.000 toneladas / dia;
- 2 tombadores com capacidade máxima de até 315 toneladas / hora cada;
- 1 armazém com capacidade estática de 120 mil toneladas;
- Planejamento de construção de mais 1 armazém, duplicando a capacidade para 240 mil toneladas;
- 1 pier de atracação que recebe navios até o modelo Post Panamax com capacidade máxima de até 120 mil toneladas;
- 1 pier de descarregamento de barcaças com capacidade máxima de até 1.426 toneladas / hora;
- Ship loader para carregamento dos navios de 2.000 toneladas / hora;
- Operação localizada em uma área de 50 hectares.

Operação Sul

A Operação Sul foi o primeiro projeto logístico da Hidrovias do Brasil, tendo seu início com a contratação junto à Vale para escoamento da produção de minério da região de Corumbá (MS) com destino à San Nicolas, na Argentina, contribuindo com o desenvolvimento da região Centro-Oeste do país. Com a implantação do projeto Vale, ocorreram avanços operacionais significativos que levaram à ampliação do negócio, agregando novos contratos que trouxeram a diversificação da Operação Sul, como o Projeto Grãos Sul, para transporte de grãos e fertilizantes, o Projeto Limday, para transporte de celulose, e o Projeto TGM, um terminal no Porto de Montevideo para movimentação de grãos, cavaco de madeira e fertilizantes.

Projeto Vale - Minério de ferro.

Trata-se do primeiro contrato da Hidrovias do Brasil, firmado com a Vale em 2012, na modalidade Take or Pay. Pelo período de 25 anos, serão disponibilizadas 3,25 milhões de toneladas de minério de ferro por ano para serem transportadas pela hidrovia Paraná-Paraguai. Para esta operação, a empresa utiliza uma infraestrutura composta por 8 empurradores de 7.200HP e 144 barcaças Jumbo para a navegação de mais de 2,5 mil quilômetros, de Corumbá (MS) até a Bacia do Prata. Em contrato firmado entre as empresas, as operações teriam início em outubro de 2014, mas foram antecipadas em 5 meses, tendo sido iniciadas em maio de 2014 graças ao planejamento e perfeita integração entre as partes envolvidas. Com este contrato, a Hidrovias do Brasil tornou-se a maior operadora logística em volume firmado em contrato nesse corredor logístico.

Projeto Grãos Sul – Grãos e Fertilizantes.

Com operações iniciadas em fevereiro de 2014, o Projeto Grãos Sul consiste no transporte fluvial de aproximadamente 900 mil toneladas/ano de grãos, saindo do Paraguai e percorrendo cerca de 1.500 quilômetros com destino à Argentina e/ou ao Uruguai. Atualmente, esta operação envolve 3 empurradores de 5.000 HP e 36 barcaças Mississippi.

Projeto Limday – Celulose.

Em conjunto com o Grupo Christophersen, 1,2 milhão de toneladas de celulose são transportadas por ano pelo rio Uruguai, a partir de Nova Palmira até Fray Bentos (Uruguai). O contrato de 10 anos já está em operação e conta com 2 empurradores e 4 barcaças dedicados e exclusivos.

Projeto TGM - Terminal Portuário de Graneles Montevideo

Com o início das operações em 2016, o Projeto TGM – construído em parceria com o Grupo Christophersen – consiste em um terminal localizado dentro do porto público de Montevidéu (Uruguai) para movimentação anual de 2 milhões de toneladas de grãos e 800 mil toneladas de cavaco de madeira, com possibilidade de inclusão de 300 mil toneladas de fertilizantes por ano.